PNL – Exploração da Linha do Tempo

Neste artigo, o autor nos proporciona de uma forma muito amena, uma técnica para modificar a Linha do Tempo, com a interessante característica de que nos permite voltar à Linha de Tempo antiga sempre que desejarmos.

O exercício de exploração da linha do tempo para um grupo de 24 executivos de uma indústria venezuelana havia sido concluído. Estávamos no segmento de compartilhar a experiência de cada indivíduo.

O formato que seguimos foi o seguinte:

Sentados, relaxados, eu os induzi a recordar e reviver o ato do asseio pessoal pela manhã há 10 anos, depois há 6 anos, posteriormente 2 anos, o ano passado, há 6 meses, a semana passada, hoje pela manhã, a próxima semana, dentro de 6 meses, no próximo ano, dentro de 2 anos e dentro de 5 anos, simultaneamente. Depois, pedi que eles tomassem nota e me dissessem em quais lugares estão guardadas as imagens, os sons e as sensações. Quando todos estavam com seus olhos abertos e no momento de conversar, pedi a palavra.

Antonio, engenheiro, gerente de produção, levantou sua mão para pedir a palavra. (Neste artigo uso um resumo de toda a prática; não é uma transcrição fiel das palavras ali usadas. O nome real da pessoa foi substituído por um nome fictício.)

-Eu não posso ver meu futuro – afirmou – porque quando tento visualiza-lo, o passado vem por cima e me produz uma angústia tremenda. O problema é que eu vivi na América Central e no meu país de origem a situação foi, por muitos anos, desastrosa, com guerras e muitas mortes. Com minha família emigrei para a Venezuela e agora o que acontece por aqui me traz à lembrança o que vivemos na América Central. É como se o passado estivesse diante de mim, muito grande, panorâmico, quase encima de mim e isso não me deixa ver mais adiante. Não posso evitar a lembrança e nem a angústia que ele me produz.

-Bem. – eu lhe disse – Você quer mudar isso?

– Sim, porque me custa visualizar o futuro e assim não posso fazer planos. – afirmou Antonio com seu cenho franzido e os cantos de sua boca ligeiramente curvados para baixo – Meu trabalho exige de mim que eu faça planos para os próximos dois ou três anos e nestas condições não posso seguir.

– Você pode tentar – lhe sugeri – uma outra forma de estruturar sua representação do tempo e sempre você terá a opção de voltar a sua representação original, se assim você desejar. Esta nova opção inclui que você também tenha sua forma de estruturação do tempo anterior a que adotará agora.

– Me parece uma boa idéia. – disse Antonio, ao mesmo tempo em que assentia com movimentos da cabeça – Mas, como eu faço para que o meu passado não “caia sobre mim?”.

– Há algum tempo um amigo tinha um problema parecido e eu lhe sugeri que organizasse sua linha do tempo como uma avenida. Ele parou em cima de seu presente e seu passado o colocou mais para trás, de forma que se ele virasse a cabeça seguia na parte da avenida que o levaria mais para baixo, em direção ao seu passado e alguns episódios que lhe produziam lembranças dolorosas; lembranças essas, importantes pelo que ele podia aprender com elas.
Ele as colocou nas ruas transversais à avenida. Assim, cada vez que ele virava sua cabeça em direção ao passado, via sobre tudo os postes de iluminação, como os eventos luminosos de seu passado e quando necessitava aprender com os fatos menos agradáveis podia sempre visitá-los, movendo-se na respectiva transversal. Seu futuro o colocou adiante, lá onde se perdia o horizonte e um pouco para cima para ver as visões com as quais queria transformar a realidade.

E o bom é que ele sempre sabe que, se necessário, sempre poderá voltar à sua velha linha de representação do tempo. Faz pouco tempo que conversamos e ele me disse muito sorridente que estava seguindo muito bem com essa nova forma de organizar sua representação do tempo. Obtinha muito mais sucesso e pode completar vários projetos que antes ele havia deixado pelo caminho. Quê tal se você considerasse esta opção? – lhe sugeri, lembrando-o que havia um meta programa internamente – Se lhe parecer bem, você poderá experimentá-la e saber que também tem a outra opção.

-Isso – disse Antonio, segurando o queixo – me parece uma boa idéia. – Movimentos afirmativos de cabeça – Façamos então.

Os passos seguintes:

1. Indução para colocar sua linha do tempo em direção ao seu passado, ligeiramente a sua esquerda (a sua direita, em relação a outra pessoa).

– Peço que você imagine sua linha do tempo como uma avenida. Assim, onde ela estaria localizada? Caminhe ao lado de sua linha, identificando-a e localizando vivências brilhantes, motivantes, de amor, de conquistas, de felicidade, de triunfos, etc. Anote quais são as imagens. Como estão as sub-modalidades: cor, iluminação, etc. As vozes e os sons que você escuta ali, e as sensações que você sentia. É isso. Muito bem. Vendo o que via em cada experiência, ouvindo o que ouvia e sentindo o que você sentia então.

Sinais analógicos no rosto e no corpo de Antonio indicam que ele está indo em direção a representações positivas (calibração).

– E agora Antonio, eu gostaria que esses eventos dolorosos e que também são importantes porque é deles que você pode aprender coisas muito importantes para você e que serviram para crescer e chegar a ser a pessoa que você é agora, o levem até um nível profissional com muitos triunfos e postos de responsabilidade e liderança em sua empresa; você pode disponibiliza-los para usa-los nos momentos em que você necessite recorda-los.

E você somente tem que se mover em direção a uma das ruas transversais, mas não é necessário tê-los presentes todo o tempo. Ali estão, no passado, disponíveis para você quando você necessitar. E nos momentos normais, cotidianos, em seu trabalho, quando girar ligeiramente sua cabeça, como você faz agora, poderá ver os momentos brilhantes de seu passado, iluminados pelas luzes potentes de sua avenida. (Movimentos da cabeça de Antonio para frente e para trás, inclinando-se, como buscando ver em direção a esse passado. Há uma calibração de mudanças em seus sinais analógicos quando vários destes eventos eram localizados nas transversais e no momento do regresso para a avenida principal com as experiências gratas. Também em eventos específicos o facilitador ajudou Antonio a se movimentar em sua avenida do tempo).

2. Localização do presente.

– Muito bem, Antonio, excelente. Agora eu te peço que, por favor, você se movimente até o presente. Hoje, em que lugar desta avenida está o seu presente?

-Aqui – apontou movendo-se alguns passos adiante – agora está bem diante de mim. Posso ver as imagens com maior nitidez.

-Observem vocês – disse aos participantes – assim como Antonio e várias outras pessoas, muitos consideram o presente como um lapso de tempo que inclui vários dias ou semanas e até meses. Por isso dizemos, “no presente mês realizamos três trabalhos”. Ou “no presente ano, temos facilitado para quinhentas pessoas”, nos referindo a uma parte da avenida.

3. Localização do futuro

– Muito bem Antonio. Agora, por favor, mostre onde estará a longa linha de seu futuro. Antonio se movimentou mais adiante e mostrou com suas mãos, um pouco em direção a sua direita.

– Onde você estará na próxima semana e realizando quais trabalhos?

– Estarei em meu escritório na segunda-feira, reunido com meus supervisores, planejando o trabalho do resto do ano.

-Muito bom, excelente. E agora você pode indicar os momentos de sua vida, família, trabalho, para o próximo ano – Antonio se moveu um pouco mais para diante e olhou para frente. – E quem sabe você queira localizar o resto de sua longa avenida do futuro um pouco mais para cima, para vê-la melhor. E pode também imaginar o que estará conquistando. E agora você pode ver ali como está conquistando tudo o que você se propôs, tomando as decisões acertadas para se adaptar com sucesso as mudanças em seu entorno, com flexibilidade e segurança de que nada irá cair em sua cabeça; também jamais fará isso o seu passado, com o qual você aprendeu com todas as importantes experiências que você vivenciou então, fazendo de você um ser cada vez mais sábio, mais preparado, para colocá-lo por cima das coisas e deixar outras experiências ali, abaixo, nas ruas transversais, para ter acesso a elas somente quando você necessite, pois você já aprendeu muito com elas.

E agora, parado em seu futuro, você pode olhar para trás, quando costumava se sentir desta maneira e pensa em tudo o que você avançou com segurança, alcançando suas metas; você se sente melhor agora ao ver tudo isso, ouvindo o que te dizem às pessoas que gostam de você. Isso é muito bom (mudança de expressão com o rosto distendido, o cenho relaxado e os outros sinais de um maior relaxamento corporal, respiração mais profunda e em sua boca um sorriso). Este trabalho teve mais elementos, como a indução para transferir as sub-modalidades de representações positivas para a nova representação do futuro e uma mudança de sub-modalidades do passado doloroso e aterrorizante para as zonas iluminadas de fatos positivos e conquistas no passado de Antonio.

Antonio terminou a experiência falando com muita tranqüilidade sobre o futuro. O mais importante foi que sua melhora foi mantida através dos dias. Posteriormente, eu o chamei para checar como estava e ele manifestou que havia seguido com essa nova linha do tempo e estava começando a agregar a ela mais elementos positivos para seu futuro. Além disso, pode participar com sucesso sugerindo idéias na sessão de planejamento estratégico de sua empresa. Já podia imaginar um futuro.

Tradutora: Daniela Bitner – Contato: dani_bitner@hotmail.com

Referência: http://www.pnlnet.com/chasq/a/2489

Arquivado em PNL

Leia outros artigos relacionados

Deixe um comentario