Ancoragem

Por Ricardo Ros

Comecemos pelo principio. Falar de ancoragem é algo muito básico dentro da PNL, a ancoragem faz parte da vida diária de qualquer Profissional da PNL. Mas quando falamos de ancoragem, não estamos falando de coisas raras, de nada esotérico, nem de tecnologias ultramodernas. O mundo está cheio de ancoragens, nossa vida se rege por ancoragens, nossas relações com nós mesmos e com o ambiente se regem por ancoragens. Mas a maior parte de nós não é consciente da força das ancoragens que estão marcando sua vida, que determinam suas sensações e suas condutas.

Outro dia eu ia pela rua e ao passar diante de uma loja de brinquedos senti um cheiro de plástico. Imediatamente meu cérebro começou a buscar em seu interior o que era aquele cheiro. Em milésimos de segundos encontrou a resposta. Não só havia me lembrado (eu estava sentado em uma mesa jogando um jogo de construção de plástico, havia um senhor e outras crianças ao redor), mas me veio à mesma sensação que eu tive no primeiro dia que fui ao colégio quando tinha 5 anos (sensação muito desagradável de solidão, de abandono e de medo). Tinham se passado muitos anos deste então e eu não tinha voltado a sentir aquele cheiro, mas meu cérebro ancorou a associação entre aquele cheiro e a resposta emocional.

Uma ancoragem é a associação automática entre um estimulo e uma resposta emocional. Em ancoragens se fundamenta a propaganda, ancoragem é o que me faz ter fome em um momento determinado do dia, ancoragem é o que me faz sentir emoção cada vez que ouço “Mediterrâneo” De Serrat (Me vem à cabeça minha primeira namorada), ancoragens são esses cheiros que nos transportam a outras épocas e a outros lugares. As ancoragens se produzem através dos sentidos e, portanto podem ser visuais, auditivos, cinestesicos, olfativos ou gustativos, ou, uma mistura de alguns deles.

Existem ancoragens positivas, quando nos trazem uma boa sensação ou nos ajudam a realizar alguma tarefa (em qual momento você acorda que tem que escovar os dentes?), ou ancoragens negativas, quando a sensação é má ou nos obriga a realizar algo que não queremos (Os atos repetitivos, os hábitos negativos, são ancoragens). Existem ancoragens conscientes e ancoragens inconscientes. O processo de ansiedade e de depressão, por exemplo, estão baseados em ancoragens negativas conscientes e inconscientes.

Mas da mesma forma em que podemos neutralizar ancoragens negativas, podemos criar ancoragens positivas. A técnica da ancoragem foi muito bem investigada há anos pelos profissionais da PNL. Podemos criar ancoragens, analógicas e digitais, encadeados ou empilhados, fisiológicos ou cognitivos e inclusive, podemos colapsar ancoragens ou fazer auto-ancoragens. Tudo depende do gosto do consumidor :-)) Podemos ancorar sentimentos, recursos, estados…

Vamos ver a técnica para realizar uma auto-ancoragem. Por exemplo, para mim custa muito me levantar pela manha, isso é uma dificuldade muito grande. Vou criar uma ancoragem que me permita saltar da cama sem problemas. A primeira coisa que preciso é me encontrar associado com a experiência. Busco algum momento da minha vida em que me vejo levantando da cama sem dificuldade. “Ah sim, tem aquela vez em que me levantei às cinco da manhã para pegar um avião que me levaria de férias ao Caribe e saltei da cama como um raio, contente e disposto para enfrentar o dia. Estar associado e congruente significa lembrar aquilo tal como o vivi, não como um espectador, de dentro sim, de fora não. No momento em que “noto” a mesma sensação que tive aquele dia, o que faço é apertar, por exemplo, a unha do meu dedo mindinho da mão esquerda com os dedos polegar e índice da minha mão direita e o mantenho assim apertado durante uns dez segundos. Se repito isto várias vezes, o que vou conseguir é associar o que não tem nada a ver, apertar a unha, com uma resposta emocional positiva cheia de recursos para me levantar. Isto é, a próxima vez que eu tiver preguiça de levantar, se eu apertar a unha, automaticamente virá à mesma sensação que eu tive no dia de minha viagem feliz ao caribe. Terá se aberto um canal neurológico novo, que me permitira iniciar novos recursos. Na verdade, a preguiça que eu sentia para me levantar era uma ancoragem negativa, ninguém nasce com preguiça para se levantar. Portanto, uma ancoragem substitui a outra.

Ah propósito, tenho que ir comer, começo a notar uma certa sensação em meu estomago que me obriga a sair correndo e sentar na mesa. Creio que a ancoragem é simplesmente um delicioso cheiro que entrou pela janela, um cheiro de frango assado com deliciosas e crocantes batatas fritas. Quando foi a ultima vez que teve essa experiência? Saúde e bom proveito

Artigo Original: http://www.pnlnet.com/chasq/a/3

Tradução: Equipe Sua Mente.com.br

Arquivado em PNL

Leia outros artigos relacionados

Deixe um comentario